Sejam Bem-Vindos!

Minha finalidade ao montar o blog foi criar um espaço de interação e troca de experiências. Onde nós professores possamos refletir sobre o uso das mídias na educação. Postando textos, vídeos, dicas de sites e blogs, entrevistas, jogos educacionais e muito mais.
Com o objetivo de enriquecer e diversificar o processo ensino/aprendizagem.
Participem dando sugestões e fazendo seus comentários.

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Vídeo: A Casa

Ao som da famosa canção de Vinícius, um mímico se diverte construindo uma casa que só é visível para quem acredita na história.
Era uma casa muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada! Tinha uma letra de Vinícius de Moraes que se tornou um clássico infantil. Se delicie com essa animação!
video
Gênero Animação
Diretor Andrés Lieban
Ano 2004
Duração 3 min
Cor Colorido
Bitola Vídeo
País Brasil

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Teclando Rapidinho Sem Catar Milho

Programas Grátis para Aprender a Digitar Rápido – Digitando com os 10 dedos

De saco cheio de ficar catando milho enquanto digita algum documento, algum email ou alguma mensagem? Não sabia que existiam programas para aprender a digitar mais rápido? Aulas para aprender a digitar com os 10 dedos? Se você gostar, tem até joguinhos para deixar tudo mais relaxante. Comece o ano de 2009 aprendendo a datilografar rápido!

Confira alguns programas para aprender a digitar rápido:

DatiExpert – Curso de Digitação 2.5 (Tamanho: 1,56mb / Windows 98, NT, 2000, Millenium, XP, 2003, Vista)
Você precisa se cadastrar no site do programa para poder aproveitar todos os recursos. Esse programa é muito usado por escolas, cursos, e instituições de ensino, além de ter suporte ao teclado brasileiro. O legal é que você pode participar de um ranking dos melhores digitadores, e também participar de campeonatos.

TypeFaster Typing Tutor 0.4.2 (Tamanho: 1,84 MB / Windows 98, NT, 2000, Millenium, XP)
RapidTyping 2.1 (Tamanho: 1,04mb / Windows 2000, Millenium, XP, 2003, Vista)
Todos os programas para treinar digitação citados aqui são grátis.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

A escola que desejamos e seus desafios - José Manuel Moran

Há um descompasso crescente entre os modelos tradicionais de ensino e as novas possibilidades que a sociedade já desenvolve informalmente e que as tecnologias atuais permitem. A maior parte do que se ensina não é percebido pelos alunos como significativo.



Uma boa escola depende fundamentalmente de contar com gestores e educadores bem preparados, remunerados, motivados e que possuam comprovada competência intelectual, emocional, comunicacional e ética. Sem bons gestores e professores nenhum projeto pedagógico será interessante, inovador. Não há tecnologias avançadas que salvem maus profissionais.São poucos os educadores e gestores pró-ativos, inovadores, que gostam de aprender e que conseguem por em prática o que aprendem. Temos muitos profissionais que preferem repetir modelos, obedecer, seguir padrões, que demoram para avançar. São mais os que adotam uma postura dependente do que os autônomos, criativos, pró-ativos. Sem pessoas autônomas é mito difícil ter uma escola diferente, mais próxima dos alunos que já nasceram com a Internet e o celular.


Uma boa escola precisa de professores mediadores de processos de aprendizagem vivos, criativos, experimentadores, presenciais-virtuais. De professores menos “falantes”, mais orientadores; de menos aulas informativas e mais atividades de pesquisa, experimentação, desafios projetos.


Uma escola que fomente redes de aprendizagem, entre professores e entre alunos; que aprendam com os que estão perto e também longe, conectados, com os mais experientes ajudando aos que têm mais dificuldades.


Uma escola com apoio de grandes bases de dados multimídia, de multi-textos de grande impacto (narrativas, jogos de grande poder de sensibilização), com acesso a muitas formas de pesquisa, de desenvolvimento de projetos.


Uma escola que privilegie a relação com os alunos, a afetividade, a motivação, a aceitação, o reconhecimento das diferenças. Que dê suporte emocional para que os alunos acreditem em si, sejam autônomos, aprendam a analisar situações complexas e a fazer escolhas cada vez mais libertadoras.


Uma escola que se articule efetivamente com os pais (associação de pais), com a comunidade, que incorpore os saberes dela, que preste melhores serviços. A escola pode estender-se fisicamente até os limites da cidade e virtualmente até os limites do mundo. A escola pode integrar os espaços significativos da cidade: museus, centros culturais, cinemas, teatros, parques, praças, ateliês, centros esportivos, centros comerciais, centros produtivos, entre outros. A escola pode trazer as manifestações culturais e artísticas próximas, fazendo dos alunos espectadores críticos e produtores de novos significados e produtos. Pode inserir atividades teóricas com as práticas, a ação com a reflexão. Trazer pessoas com diversas competências para mostrar novas possibilidades vocacionais para os alunos.


A escola e a universidade precisam reaprender a aprender, a serem mais úteis, a prestar serviços mais relevantes à sociedade, a saírem do casulo em que se encontram. A maioria das escolas e universidades se distancia velozmente da sociedade, das demandas atuais. Sobrevivem porque são os espaços obrigatórios e legitimados pelo Estado. Os alunos freqüentam muitas aulas porque são obrigados, não porque sintam que vale a pena. As escolas deficientes e medíocres atrasam o desenvolvimento da sociedade, retardam as mudanças.


A educação poderá tornar-se cada vez mais participativa, democrática, mediada por profissionais competentes. Teremos muitas instituições que optarão por uma postura mais conservadora, que manterão o sistema disciplinar, o foco no conteúdo; mas, mesmo nelas, o ensino-aprendizagem não se fará somente na sala de aula. Haverá maior flexibilidade de tempos, horários e metodologias do que há atualmente. Outras – e esperamos que muitas – caminharão para tornar-se ou continuar sendo organizações democráticas, centradas nos alunos; que desenvolvem situações ricas de aprendizagem, sem asfixiar os alunos, incentivando-os; que desenvolvem valores de colaboração, de cidadania em todos os participantes.


Escolas não conectadas são escolas incompletas (mesmo quando didaticamente avançadas). Alunos sem acesso contínuo às redes digitais estão excluídos de uma parte importante da aprendizagem atual: do acesso à informação variada e disponível on-line, da pesquisa rápida em bases de dados, bibliotecas digitais, portais educacionais; da participação em comunidades de interesse, nos debates e publicações on-line, em fim, da variada oferta de serviços digitais.


Quanto mais tecnologias avançadas, mais a educação precisa de pessoas humanas, evoluídas, competentes, éticas. A sociedade torna-se cada vez mais complexa, pluralista e exige pessoas abertas, criativas, inovadoras, confiáveis. O que faz a diferença no avanço dos países é a qualificação das pessoas. Encontraremos na educação novos caminhos de integração do humano e do tecnológico; do racional, sensorial, emocional e do ético; do presencial e do virtual; da escola, do trabalho e da vida em todas as suas dimensões.


Texto que será publicado no próximo Guia da Boa Escola (no prelo).
José Manuel Moran
Especialista em projetos inovadores na educação presencial e a distância

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Donald no País da Matemágica

Visitando o blog do Prof. Ricardo Vianna encontrei a indicação desse curta metragem, Donald no País da Matemágica. Muito interessante. Confira abaixo:

O filme da década de 80 prima pela simplicidade da exposição das idéias e por combinar a magia de Walt Disney com a Magia dos números.

O resultado é um filme que encantou o mundo e ainda marca crianças e adultos pela profundidade e seriedade de seu conteúdo. Donald no País da Matemágica aborda temas desde proporções, entre elas a famosa Proporção Áurea até as origens do surgimento da música e jogos matemáticos como o bilhar e o xadrez. O curta ainda mostra o quão mais próxima a Matemática pode estar, na natureza e no dia a dia, do que muitos imaginam.



É um grande Filme, tenho certeza que vocês vão gostar.

Prof. Ricardo Vianna



Fonte: http://prof-ricardovianna.blogspot.com/search/label/Filme%20Matemática



quinta-feira, 15 de outubro de 2009

ORAÇÃO DO PROFESSOR

Dai-me, Senhor, o dom de ensinar,
Dai-me esta graça que vem do amor.
Mas, antes do ensinar, Senhor,
Dai-me o dom de aprender.
Aprender a ensinar
Aprender o amor de ensinar.
Que o meu ensinar seja simples, humano e alegre, como o amor.
De aprender sempre.
Que eu persevere mais no aprender do que no ensinar.
Que minha sabedoria ilumine e não apenas brilhe.
Que o meu saber não domine ninguém, mas leve à verdade.
Que meus conhecimentos não produzam orgulho,
Mas cresçam e se abasteçam da humildade.
Que minhas palavras não firam e nem sejam dissimuladas,
Mas animem as faces de quem procura a luz.
Que a minha voz nunca assuste,
Mas seja a pregação da esperança.
Que eu aprenda que quem não me entende
Precisa ainda mais de mim,
E que nunca lhe destine a presunção de ser melhor.
Dai-me, Senhor, também a sabedoria do desaprender,
Para que eu possa trazer o novo, a esperança,
E não ser um perpetuador das desilusões.

Dai-me, Senhor, a sabedoria do aprender.
Deixai-me ensinar para distribuir a sabedoria do amor.
(Antonio Pedro Schlindwein)


quarta-feira, 14 de outubro de 2009

PARABÉNS PROFESSORES!


Apesar de tudo, podemos e devemos festejar o nosso dia, pois escolhemos ser "PROFESSORES". Fazemos o nosso trabalho com amor, nos dedicamos e nos envolvemos, mesmo, às vezes, não sendo valorizados por isso.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Informática no Ambiente Escolar

Um dos aspectos mais importantes é que a informática vem adquirindo cada vez mais relevância no cenário educacional. Sua utilização como instrumento de aprendizagem e sua ação no meio social vêm aumentando de forma rápida entre nós. Nesse sentido, a educação vem passando por mudanças estruturais e funcionais frente a essa nova tecnologia.
A informática educacional tem como objetivo permitir aos alunos o contato com este mundo informatizado, sendo mais um recurso para haver uma aprendizagem mais prazerosa, através de softwares educativos com conteúdos trabalhados em sala de aula pelo professor.

Trabalhar com o computador é uma possibilidade de ampliar e diversificar a prática pedagógica. O computador possibilita a utilização de estratégias que não se restringem ao simples uso e manuseio de uma máquina.
Por isso é importante que o educador compreenda o uso do computador de maneira ampla, assumindo uma postura multidisciplinar de integração de conteúdos e das disciplinas ampliando a abrangência do conhecimento que pode ser adquirido pelo aluno.

De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (1997), a escola faz parte do mundo e para cumprir sua função deve estar aberta a incorporar novos hábitos, comportamentos, percepções e demandas.

Considerando ainda a rapidez com que se dá a produção de conhecimento e a circulação de informações no mundo atual, a incorporação das inovações tecnológicas irá contribuir para a melhoria da qualidade na educação. Contudo, a simples presença das tecnologias na escola não é, por si só, garantia dessa maior qualidade.

Segundo o PCN, a tecnologia deve ser usada na escola para ampliar as opções didáticas do educador, com o objetivo de criar ambientes de ensino e aprendizagem que favoreçam a postura crítica, a curiosidade, a observação e principalmente a autonomia do aluno.

O educador continua sendo quem planeja e desenvolve as situações de ensino a partir do conhecimento que possuem e dos processos de aprendizagem, desta vez utilizando a ferramenta tecnológica como mais um recurso para ensinar e aprender. Ele é responsável pelos processos que desencadeia para promover a construção de conhecimentos, e nesse sentido é insubstituível.

A tecnologia deve ser utilizada como recurso para apresentar e aprofundar conteúdos curriculares, não somente para ensinar programas de informática, pois o objetivo não é formar técnicos em informática.

O ideal é estabelecer objetivos pedagógicos para que as atividades tenham significados e façam do laboratório uma extensão da sala de aula, um verdadeiro ambiente de aprendizagem.

Segundo Fróes (apud LOPES, 2002), a tecnologia sempre afetou o homem: das primeiras ferramentas, por vezes consideradas como extensões do corpo, à máquina a vapor que mudou hábitos e instituições, ao computador que trouxe novas e profundas mudanças sociais e culturais, a tecnologia nos transportando ou mesmo nos substituindo em determinadas tarefas, os recursos tecnológicos ora nos fascinam, ora nos assustam...

De acordo com Borba (2001, p.46), quando coloca “seres humanos – com – mídias” dizendo que “os seres humanos são constituídos por técnicas que estendem e modificam o seu raciocínio e, ao mesmo tempo, esses mesmos seres humanos estão constantemente transformando essas técnicas”.

Para Flores (1996), "a informática deve habilitar e dar oportunidade ao aluno de adquirir novos conhecimentos, facilitar o processo ensino/aprendizagem, enfim ser um complemento de conteúdos curriculares visando o desenvolvimento integral do indivíduo”.

O autor ainda coloca que mesmo diante desta nova realidade e do avanço da informática, o professor deve repensar sobre sua prática, utilizando a tecnologia a seu favor.

É preciso que a escola mobilize seu corpo docente sobre a importância da informática educacional.

Mobilizar o professor significa mudança de paradigmas, acreditar que a tecnologia é sua aliada na construção da sua prática, isto não o tornará um especialista na área, mas é preciso criar condições e querer se apropriar deste conhecimento, para saber usá-lo adequadamente em seu dia a dia com o aluno.

O importante é que o professor se sinta como uma peça participativa do processo, seja parte integrante da construção deste novo conhecimento, se atualizando constantemente e criando novas estratégias de aprendizagem e enfrentando estes novos desafios.
Maiara Barbosa Monteiro da Silva

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Uso pedagógico do E-mail

O e-mail como instrumento de produção de texto e conteúdo
Digitando se produz textos


É óbvio que o e-mail, por sua característica fundamental como ferramenta de expressão escrita, possibilita que o professor da área de Linguagem possa usá-lo para propor aos seus alunos a produção de textos. Por outro lado, produzir textos é uma atividade presente em todas as disciplinas e, portanto, todas podem usar o e-mail como um expediente útil para se produzir e entregar textos.
Da mesma forma, aqueles trabalhos de pesquisa que normalmente resultam em pilhas de papel impresso, podem ser solicitados de forma mais “ecológica e sustentável” na forma de arquivos digitais. Dado que o e-mail aceita figuras anexas ao texto e que outros tipos de arquivos, como apresentações, imagens, planilhas, músicas e mesmo pequenos filmes, podem ser anexados ao e-mail, tem-se uma infinidade de possibilidades muito mais ricas para a produção desses trabalhos do que o velho expediente do “papel”. Por outro lado, é muito mais fácil receber e organizar esses trabalhos quando eles são entregues por e-mail e o professor se organiza para recebê-los.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

A Importância dos Recursos Tecnológicos no Ensino da Matemática

Objetos tecnológicos usados no ensino da Matemática
Estamos diante de uma sociedade globalizada e dinâmica, a disputa por espaço no mercado de trabalho tem exigido das pessoas uma melhor preparação, cursos extras são essenciais para quem procura uma situação profissional que oferece bons rendimentos. As tecnologias da informação e comunicação estão presentes em diversos setores, atingindo de forma direta e indireta aqueles que atuam nessas áreas.
A preparação desses indivíduos precisa ter início no ensino básico, dessa forma, a educação tem enfrentado uma importante reformulação no intuito de preparar os jovens. Ferramentas tecnológicas como o computador e a calculadora têm sido usadas com o objetivo de aumentar a eficácia do ensino e desenvolver no aluno o senso crítico, o pensamento improvável e dedutivo, a capacidade de observação, de pesquisa e estratégias de comunicação.
O uso dos computadores nas escolas é de extrema necessidade na formação dos estudantes, pois o contato com o equipamento fora da escola possui o âmbito da diversão, destinando o seu uso a jogos e sites de relacionamentos. No âmbito escolar, o interesse é o da interdisciplinaridade e o da educação tecnológica, os alunos conhecem as funções básicas do computador, mas não reconhecem a sua importância para o próprio futuro, além de liberar os alunos das tarefas mais técnicas, auxilia no processo de investigação de problemas matemáticos e permite melhor gerenciamento do tempo e das ações de ensino aprendizagem. Sugira trabalhos feitos no computador, mas antes verifique o conhecimento usual de programas como o Word e o Excel; caso verifique dificuldades, prepare algumas aulas extras destinadas a uma orientação básica. Pesquisas, trabalhos digitados e construções de planilhas, são atividades triviais e servem de fixação por parte dos alunos.
A calculadora também é considerada uma ferramenta tecnológica contestada no atual ensino da Matemática, geralmente os argumentos mais fortes contra o seu uso é de que os alunos não aprendem realizar cálculos, pois ficam dependentes do seu uso. Não podemos analisar a situação do uso da calculadora dessa forma, a dificuldade de alguns alunos de realizarem cálculos sem o objeto eletrônico, se deve à falta de habilidade com números, isto é consequência típica da maneira mecânica pela qual ele foi ensinado. O professor de Matemática deve instigar o aluno a desenvolver um raciocínio lógico e aguçado, despertar a necessidade do cálculo mental e de estimativas, isso deve ocorrer nos vários níveis escolares. Se usada de modo planejado, a calculadora motiva o aluno na resolução de problemas, com isso o professor pode fornecer atividades com dados decorrentes de situações reais, que auxiliam na construção de opiniões e na percepção de regularidades.
O educador fica responsável por realizar atividades extras, onde as ferramentas tecnológicas possam ser utilizadas de forma sistêmica, através da individualidade dos alunos ou na formação de grupos de estudo.
Por Marcos Noé
Graduado em Matemática
Equipe Brasil Escola

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Desenhos Animados/ Meio Ambiente

Site com conteúdo excelente, desenhos animados que nos levam a refletir sobre diversas situações envolvendo o Meio Ambiente. Muito bom para trabalhar com os alunos. O professor poderá criar inúmeras atividades baseadas nos desenhos.
DESMATAMENTO

ÁGUA


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...